28 de out de 2008

Deixa acontecer naturalmente









Quando tinha meus doze anos, eu não pensava em ir pra balada, tirar fotos sensuais, me arrumar para um menino (ou uns!). Naquela época eu preferia olhar desenho depois de fazer os temas e ir à casa das minhas amigas brincar. Muitos podem ler isto e acharem que eu era careta, comparando com os dito “valores” de hoje em dia.
As coisas estão mudando, isso ninguém nega. Mas eu nunca vou concordar com isso e simplesmente aceitar que agora as coisas são assim e pronto. Eu acho um absurdo enorme esse monte de menininhas que mal “viraram mocinhas” e já estão se achando as gostosas do pedaço. Ou esses meninos que acham que são os novos Snoop Dogs da parada, e se imaginam num harém de mulheres.
Além das crianças estarem cada vez mais precoces, elas acabam amadurecendo forçadamente, pois acham que se não agirem como adultos (e desde quando adultos agem assim?) serão excluídos pelos colegas. Cada um tem seu tempo, lógico. Claro que quando eu tinha doze anos, tinha amigas que já ficavam de vez em quando. Mas aquilo foi mais no início do “amadurecimento precoce”.
Hoje em dia, isso está diferente! E, infelizmente, está mudando para pior. Até porque, além do fato de que essas crianças “largam a infância” cada vez mais cedo, elas ficam não por gostarem da pessoa, mas sim estão ficando (para não dizer se agarrando) com qualquer um só para não ser diferente dos outros.
O pior de tudo é que as crianças que não são maria-vai-com-as-outras nessa história e deixam-se crescer e amadurecer gradualmente, é que mais acabam sofrendo. Mas eu alerto: vocês podem até sofrer com zoações nessa idade, por não fazerem isso, mas saibam que quando forem mais velhas, agradecerão por não terem agido como a maioria.

4 comentários:

M.P.B disse...

Infelizmente nossas crianças foram alienadas com o senso de que ser bacana é ser "grande"... mas não crescer da maneira correta e sem um botão para apressar isso, mas o crescer naTORAlmente, o que faz delas crianças sem a inocência tão gostosa, sem a vontade de sair correndo, sem querer correr de pés descalços por aí para não sujar, sem querer falar abobrinhas e rir para não ser um idiota, de ficar com todo mundo sem nem ao menos gostar para não ser careta.
Mas o que é ser careta mesmo?? Ter próprios conceitos ou ser alguém a cada dia para entrar em um grupinho?
As vezes acho que não sou desse mundo... porque meus conceitos eu preservo, e não há nada nem ninguém que mude isso.
Muito bom o post! =)
(www.musicapoesiaeblablabla.wordpress.com)

Samy S. disse...

Oi Mila :) vi seu blog na revista Capricho, ai tava vendo todos e achei o seu. Sou gaúcha também e gremista \o> E tenho 13 anos. Achei super interessante o que você escreveu! Eu olho para minhas colegas, ou crianças mais novas do que eu já se agarrando com os guris e as vezes até tendo relacionamentos sexuais. Acho muito errado isso, hoje em dia tudo está muito precoce. Adorei o post, disse tudo :) Acho que faço igual a ti, qdo tu tinha doze anos, eu que no caso tenho 13 também não gosto muito de baladas, nem me arrumar pros guris, etc :D rs Me identifiquei muito com o seu post. Beijão! :*

Tina disse...

Mila!
Nossa, fazi mto tempo que não entrava no meu blog e quando entei fiquei mto feliz de ver o recado teu!

Teu blog tá lindo menina!

E cmo sempre teus textos tão o máximo! Muitas vezes,quando leio teus texto me identifico com tua opinião. Mais uma vez vou ter que concordar contigo. Acho muito estranho ver estas mocinhas que são pequenas mulheres enquanto poderiam ser apenas crianças. E o pior é que elas são vão saber o que perderam depois de perderem e não poderem mais voltar no tempo. Não sei se isso é efeito de todo esse excesso e facilidade de informação que as confunde ou o que é, mas nessa ânsia de crescer, as crinças perdem a melhor fase da vida.

Muito inspiração pra ti neste novo e lindo blog querida^^

Bjo Mila!

Psicodellicuss Girl disse...

Muitas mudanças estão ocorrendo e isso está mudando a cabeça dos jovens.
Hj acham bonitinho ver uma criança de menos de 5 anos dançando "creu" na tv, mas essas eu não as culpo pois tadinhas, sequer sabem o significado da "música" (se é q pode ser chamada assim) e sim os seus pais q permitem q isso aconteça enquanto morrem de gargalhadas achando a filhinha esperta mas q no futuro vão sentir a forte consequência.